Vinho Allegrini Palazzo Della Torre Veronese IGT 2015 750ml

Extremamente gastronômico, o Palazzo della Torre é um vinho feito a partir de tradicionais uvas do Vêneto (Corvina Vernese e Rondinella) com um toque de Sangiovese, corte que deu personalidade única ao vinho. Não à toa, foi avaliado com 91 pontos pela revista Wine Enthusiast e é um dos maiores sucessos da nova fase da Allegrini com preço bem abaixo dos demais vinhos ícones da vinícola.

Produto líder de Amarone della Valpolicella Classico e uma das vinícolas italianas mais premiadas e reconhecidas no mundo, a Allegrini é propriedade da família de mesmo nome e se localiza nas colinas de Valpolicella desde o século XVI. Hoje, a família comanda mais de 100 hectares de vinhedos dentro da denominação, sendo que seus vinhos são exclusivamente feitos a partir de uvas cultivadas em vinhedos próprios. Depois de muitas pesquisas e experimentações no coração dos vinhedos e das adegas, a vinícola Allegrini introduziu inovações radicais no mundo vitivinícola desde técnicas de secagem das uvas até práticas de enologia, com o objetivo de valorizar o potencial de qualidade existente dentro de Valpolicella. A capacidade de sintonia com as novas tendências do mercado, unida ao desejo da família de valorizar ao máximo as características de suas próprias vinhas, criaram vinhos delicados e sensuais, que representam toda a expressão da história do território.

Assim como os vinhos da denominação de origem Valpolicella Ripasso, o Palazzo della Torre é fermentado a partir de uma combinação de uvas frescas, recém-colhidas, com uvas apassitadas, dando origem a um vinho mais potente e encorpado – um meio termo perfeito entre o Valpolicella de entrada e o Amarone della Valpolicella. Mas há uma diferença entre os Valpolicella Ripasso e o Palazzo della Torre: os vinhos da DOC são feitos com uvas recém-colhidas com uma parcela de apassitadas que já foram usadas para fermentar o Amarone, enquanto o rótulo icônico da Allegrini é feito com essa parcela de uvas apassitadas novas, ou seja, que não foram usadas para fazer o Amarone.

“A família Allegrini percebeu que essa técnica não era muito interessante porque depois que as uvas fermentam durante muito tempo no Amarone elas, na maioria das vezes, em vez de darem um ‘up’ no vinho resultando num ‘down’”, explica o sommelier Massimo Leoncini. A mudança na técnica permitiu a Allegrini produzir um Valpolicella Ripasso mais limpo no nariz, mais frutado e com nível de estrutura mais interessante do que um Ripasso feito com o método convencional.

94 pontos James Suckling

R$249.00

Fora de estoque