A História dos Supertoscanos

No início do século XX, As famílias Antinori e Incisa della Rochetta vinham “contrariando” as regras. Niccolò Antinori estava testando algumas cepas francesas na Toscana. E Mario Incisa della Rocchetta também resolveu testar variedades.

Dificuldades com o Chianti

Além disso, no início da década de 1970, o Chianti estava em baixa, com safras de qualidade inferior e problemas de superprodução. Assim, os Supertoscanos não era apenas uma questão de “desobediência” usar outras variedades e outros métodos. Era uma questão de criar um novo vinho, um vinho que não estivesse vinculado a Chianti e sua má fama na época.

Nesse momento, seus vinhos foram rebaixados à categoria “vino di tavola”, com preços mais baixos do mercado.

Reconhecimento

Em 1978, Sassicaia venceu um importante concurso promovido pela revista Decanter e recebeu 100 pontos do Robert Parker. Tignanello, Solaia, Ornellaia , Siepi, Masseto, Redigaffi e muitos outros também chamaram atenção.

Em 1992, foi criada a Indicazione Geografica Tipica (IGT), classificação menos restritiva que abarcou esses vinhos “fora da lei”.

Atualmente

Alguns Supertoscanos até poderiam pertencer à denominação Chianti, pois, ela já não obriga, por exemplo, o uso de variedades brancas no blend, e também não impede que um vinho seja 100% varietal.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: